sábado, 17 de julho de 2010

Montréal, Québec - Canada

Muita gente viaja até os Estados Unidos da América e nao se dá conta que um pouco mais acima tem um dos países mais encantadores da Terra. Nao, nao é exagero. Tudo bem, pode ser uma opiniao subjetiva, mas é a mesma opiniao que muitos dos que visitaram ou vivem nessa terra maravilhosa chamada Canadá também compartilham.

A primeira vez que estive no Canadá foi em 1997 e posso dizer que foi amor à primeira vista. Para quem vive no Brasil, visitar e conhecer um país onde as coisas funcionam de verdade é uma experiência fantástica. Aliado a isso tem a sua exuberante beleza natural. Entao, como nao se apaixonar pelo Canadá? :)

Vamos aproveitar agora para falar um pouco sobre Montréal, a maior cidade da província do Québec (a capital é a cidade de Québec) com cerca de 3.5 milhoes de habitantes. Fundado e colonizado inicialmente por franceses, o Québec passou para o domínio da coroa britânica integrando o que era conhecido como Província do Canadá. Depois que se tornou um país, a província se dividiu em Ontário e Québec e a eles se juntaram outras províncias até ter a forma e a dimensao atual do Canadá.

Bem, deixando a história de lado, Montréal é uma das cidades mais charmosas que já conhecemos. Um lugar onde você consegue ver lado a lado a forte influência colonizadora francesa, o avanço da cultura anglófona, um certo charme europeu e ao mesmo tempo a modernidade das cidades da América do Norte.

Para quem vem do Brasil, para chegar em Montréal você tem a opçao de vir pela Air Canada com conexao em Toronto ou via EUA com conexao em New York, Chicago, Washington, Miami, Atlanta etc. Existe ainda uma opçao mais recente que é via Cidade do México por uma das duas companhias mexicanas que fazem a rota: Aeromexico ou Mexicana. Se a diferença de preço nao for absurda (acredite, geralmente ela é!), a melhor opçao é vir por Toronto, assim você evita o tradicional transtorno de passar pelos EUA.

Chegando no aeroporto de Montréal, se você é descolado e independente a melhor opçao é o ônibus número 747. É uma linha expressa que liga o aeroporto ao centro e a algumas estaçoes de metrô. Custa apenas 7 CAD e te dá acesso ao sistema de metrô. Detalhe é que você paga diretamente no ônibus e tem que ser em moedas, eles nao aceitam notas e nem tem troco.

Se você nao é tao independente assim ou tem muita coisa para levar em um ônibus, pegue um táxi mesmo. A viagem até o centro vai te custar em torno de 30 a 40 CAD.

Sobre hospedagem, Montréal tem uma ampla rede de acolhimento para todos os tipos e gostos desde os baratos albergues até hotéis de extremo luxo. Cabe a você decidir o seu orçamento. A maioria fica bem localizada e nós insistimos para que você use o sistema de transporte público da cidade, afinal de contas nao é caro como os táxis e te leva para onde você quiser.
A passagem de metrô/ônibus custa 2.75 CAD e você pode fazer uma conexao com o mesmo bilhete dentro de um prazo de 2 horas. Mas atençao, você nao pode ir e voltar com o mesmo bilhete. Se você começa no metrô você pode fazer conexao com ônibus e vice-versa.

Outra opçao sao os passes de um dia ou de 3 dias de validade. Existem ainda o semanal e até mesmo o mensal. Depende de quanto tempo você vai passar na cidade.

Agora, vamos ao que interessa: o que ver e fazer em Montréal?!
Vamos sugerir atraçoes tranquilas e que você pode ver em 2 dias de passeio.

Uma das atraçoes imperdíveis de Montréal é a regiao da cidade e do porto antigos, chamados de Vieux Montréal e Vieux Port, respectivamente. Foi lá que a cidade começou e existem prédios e monumentos históricos. Um dos pontos de interesse é o Marché Bonsecours, com várias opçoes de moda, artesanato e curiosidades.
Ali pertinho, aproveite para passear pelo Vieux Port com suas passarelas próximas ao rio Sao Lourenço e com vistas que valem à pena.
Como se nao bastassem os encantos naturais, é nessa mesmíssima regiao que fica o internacionalmente famoso Cirque du Soleil. Quem nunca ouviu falar dele? :)









Uma boa opçao para quem está nessa parte da cidade sao os passeios de barco pelo rio. Existem várias empresas que exploram esse mercado e com várias opçoes: tem os mais comportados, estilo passeio pelo rio Sena de Paris; existem os mais aventureiros com direito a um verdadeiro banho d'água durante as manobras e existem ainda a escola de vela e uma balsa que faz a ligaçao para o outro lado do rio.

Se você gosta de parques, Montréal é o lugar certo. Existem dezenas, talvez centenas deles em Montréal. Cada um mais bacana que o outro e com atraçoes diferentes. Um dos mais famosos e conhecidos é o Parc Jean Drapeau, onde ficam a Biosphère, o parque de atraçoes La Ronde e de quebra o circuito Gilles Villeneuve, onde é realizado anualmente o GP de Formula 1 de Montréal. O Jean Drapeau ainda tem praia, bosque e uma infinidade de atraçoes. Nao perca, realmente vale à pena. A maneira mais fácil de chegar lá é pegando a linha amarela do metrô até a estaçao Jean Drapeau.













Outro parque imperdível é o Parc Mont Royal, que tem esse nome por causa do monte que deu nome á cidade, o Mont Royal. Dá para chegar de ônibus também. Tem várias trilhas e uma imensa área verde para desfrutar da sua beleza e tranquilidade. O Lago dos Castores, bem, duvidamos que ainda tenham castores. :) Mas é bonito e vale à pena conhecer. Ainda no Parc Mont Royal têm dois mirantes, de onde você pode ver a cidade quase totalmente e do alto. Imperdível.






Existem ainda outros parques como o Maisonneuve, Lafontaine etc mas você nao veio até aqui apenas para ver parques, nao é verdade? :)

Para conhecer um pouco da agitaçao da cidade, o lugar certo é a av. Ste. Catherine, que fica bem no centrao da cidade mesmo. Acessível pelas estaçoes de metro Peel, McGill, Guy-Concordia e outras, a Ste. Catherine esbanja em beleza e modernidade, com praticamente todas as principais grifes e marcas famosas. Além disso tem a cidade subterrânea, que na verdade sao imensas galerias e shopping centers que se comunicam pelo subsolo, evitando que as pessoas precisem se expor ao frio durante o inverno.

Nao esquecendo da gastronomia, aqui você consegue encontrar de todo tipo de culinária que pense. Desde a tradicional comida rápida e lanchinhos até as mais escondidas e saborosas cozinhas asiáticas, européias e africanas. Depende do que você quer.

Um prato típico do Québec é a famosa poutine, que na verdade é uma generosa porçao de batatas fritas cobertas com um molho um pouco viscoso e queijo, podendo vir ainda com salsicha, carne defumanda, frango, peru etc.

Agora, para quem gosta de sanduíches, nao pode perder o delicioso sanduíche da tradicional casa de carnes defumadas chamada Schwartz. Faz parte da identidade de Montréal e você pode escolher entre os sanduíches de frango defumado, peru defumado, salsicha defumada ou o imperdível sanduíche de carne defumada. É grande e vale uma refeiçao. Simplesmente um dos melhores sanduíches que já comemos na vida. E nao custa caro: um casal come bem por cerca de 15 a 20 CAD.

E Montréal ainda tem muito mais a oferecer, como o Festival Internacional de Jazz de Montréal, o famoso festival de comédia Just for Laughs e por aí vai. Mas todos sao oferecidos durante o verao, quando a cidade ganha um ar especial e parece realmente pulsar junto com seus habitantes.

Depois de conhecer Montréal, duvidamos que você nao se apaixone também. :)
Boa viagem!

Abraços,
Alessander e Marcela

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Serra Gaúcha, Rio Grande do Sul, Brasil, Parte II

Continuando sobre a Serra Gaúcha, no dia seguinte acordamos cedo, tomamos um delicioso café da manha no nosso hotel e saímos para visitar as atraçoes de Nova Petrópolis, que fica pertinho de Gramado.

Fomos ao Parque Aldeia do Imigrante, que tem como atraçoes uma feirinha permanente de artesanato, roupas e lembranças referentes à regiao local. É nesse parque que acontecem alguns festivais como os da cultura alema e italiana, entre outros. Um dos pontos altos do parque é a representaçao de uma vila de imigrantes alemaes com construçoes réplicas das casas daquela época, inclusive com direito a uma igreja, escola, banco, marcenaria e até mesmo um cemitério!

Sem dúvida é um dos passeios imperdíveis em Nova Petrópolis.






Em seguida fomos à praça das flores e ao famoso "labirinto verde". A praça é realmente belíssima e faz jus ao seu nome.

Se você gostar de tomar chocolate quente, recomendamos fortemente o fantástico chocolate quente servido na Padaria e Confeitaria Petrópolis, localizada em uma das esquinas da avenida principal e pertinho do centro comercial. Vale muito à pena!





Depois aproveitamos para ver algumas roupas no centro comercial que fica na avenida principal, conseguimos comprar alguns artigos de couro com preços execelentes se comparados aos praticados em Sao Paulo e terminamos por tomar o recomendadíssimo café colonial do Opa's Kaffeehaus. O local é administrado pela família, que também trabalha no atendimento. Tem um aspecto bastante aconchegante e se você ficar em uma das mesinhas ao lado das enormes janelas de vidro entao poderá ver a beleza da regiao local, já que a casa fica numa regiao alta com uma boa vista das redondezas.



Depois de aproveitarmos as belezas e as delícias de Nova Petrópolis retornamos para Gramado e fomos ao Parque Knorr, também conhecido como Aldeia do Papai Noel. Naquela altura do dia o clima estava friozinho e com uma neblina na regiao do parque, o que ajudou ao "clima de natal" que você encontra no parque. É uma grande área verde, com construçoes espalhadas e uma delas representando a casa do Papai Noel. No parque é possível ver renas de verdade, que ficam numa regiao cercada. Existe ainda uma praça de eventos verde, próximo da entrada e um local que simula neve com espuma. É bastante divertido e um passeio bem legal.






No dia seguinte saímos cedo e fomos ao Mini Mundo. Uma das atraçoes mais antigas de Gramado e que nao pára de crescer desde a sua abertura. O tempo passa mas ele continua sendo uma visita obrigatória com suas maquetes de construçoes históricas e marcos de cidades da Alemanha.

Depois do mini mundo visitamos o Lago Negro, o lago Joaquina Rita Bier e voltamos ao centro de Gramado para fazer nossa comprinha básica de chocolates. Afinal, que graça tem ir a Gramado e nao comprar dos seus deliciosos chocolates?? :)

Voltamos ao hotel, fechamos nossa conta e partimos em direçao a Porto Alegre pela Rota Romântica, que realmente tem belas paisagens e faz você passar por lugares com nome inusitados, como Picada Café.



Chegamos em Porto Alegre, devolvemos o carro na Unidas e pegamos nosso vôo de volta para Campinas.

Foi uma viagem curta, mas que aproveitamos ao máximo e até hoje quando nos lembramos dela parece que ficamos bem mais tempo do que o final de semana prolongado.

Quem sabe um dia faremos um bis? :)

Abraços,
Alessander e Marcela

domingo, 4 de abril de 2010

Serra Gaúcha, Rio Grande do Sul, Brasil - Parte I

Como já estamos em abril e daqui a pouco o frio brasileiro vai dar o ar da sua graça no Sul/Sudeste, achamos interessante falar agora de uma viagem muito legal que fizemos em julho do ano passado.

Saímos de Campinas em um sábado pela manhã, às 07:00 em um vôo direto para Porto Alegre, pela TAM. Vôo rápido, tranquilo e 1h30 depois estávamos aterrissando na capital gaúcha. Dei uma rápida procurada hoje no site da TAM e parece que eles não têm mais esse vôo direito. Eu sei que na GOL e na Azul existem sim opções de vôo direto Campinas - Porto Alegre, então fica a dica.

Tínhamos feito reserva de um carro pela Unidas, então nos dirigimos ao balcão deles para retirar o carro. Só havia um atendente e 2 pessoas na nossa frente, mas parecia que a coisa não andava. Demorou um pouco, mas graças a Deus esse foi nosso único empecilho em um final de semana prolongado perfeito.

Com mapa na mão e depois de pedir rápidas orientações ao moço que nos entregou o carro no estacionamento da Unidas, fizemos nossa programação de subirmos direto até Bento Gonçalves.




Estradas bem conservadas e sinalizadas, como todo lugar que pensa em turismo deve ser. Também podemos dizer que a paisagem era bem exuberante e agradável. Um verdadeiro passeio à parte.

Chegamos em Bento Gonçalves em meio a uma chuvinha fraca e um neoveiro chatinho, mas que dava um clima legal ao ambiente. Resolvemos então percorrer o Vale dos Vinhedos e suas diversas vinícolas. Um passeio interessante, sem dúvida e com muitas opções gastronômicas e para os enólogos de plantão. :)

Optamos por fazer nossas compras de delicosos sucos de uva e geléias na Adega Casa de Madeira.






Depois do passeio era hora do almoço e escolhemos o restaurante Canta Maria, que fica localizado na RST-470, Km 17, ao lado do pórtico na entrada de Bento Gonçalves. Excelente atendimento e comida de muito boa qualidade. O preço também achamos bastante justo, não que seja barato, mas a qualidade faz valer cada centavo.




Em seguida ao almoço demos uma passada rápida pela cidade em si de Bento Gonçalves e seguimos para Caxias do Sul. A última vez que tinha estado naquela região foi no lngínquo ano de 1993 e posso dizer que realmente a região mudou bastante, para melhor, pelo menos para quem vai como visitante. :)

Em Caxias do Sul queríamos mesmo visitar o Château LaCave
e seu castelo em estilo medieval, localizado na BR 116, Km 143. Apesar de ser uma rodovia, hoje ele fica dentro da cidade mesmo. Vale o passeio pela curiosidade de um castelo medieval impecavelmente bem construido no interior do Rio Grande do Sul, e o fato de funcionar como vinícola. As moças que fazem o passeio guiado realmente conhecem bem a sua história e explicam tudo direitinho. No final do passeio você tem a oportunidade de degustar alguns vinhos da casa e na saída adquirir dos que você mais gostou.











Como tínhamos reservado nosso hotel apenas em Gramado, saímos então de Caxias do Sul em direção àquela cidade. A estrada de serra tem vistas belíssimas da região, com direito até mesmo a cachoeiras de tirar o fôlego. Só não concordamos muito com a cobrança de pedágio na região, visto que é pista simples e a cobrança não parece ter acrescentando muita coisa.

Passamos por Nova Petrópolis mas seguimos direto, afinal nosso destino era Gramado e já tínhamos programado nossa visita a Nova Petrópolis para o dia seguinte.

Chegamos em Gramado já era noite e a cidade estava verdadeiramente entupida de gente e carros, praticamente intransitável na região central. Nosso hotel ficava na av. Borges de Medeiros 1069, que na verdade é o começo de uma rodovia. Ficamos no Hotel Azaléia. Hotel bastante confortável, atendimento de muito boa qualidade, café da manhã perfeito e no estilo colonial e o melhor: não permitem fumantes! Perfeito! :)

Depois de devidamente alojados e tomado um bom banho, fomos dar uma passada no centro de Gramado e ver a cidade em si. Que cidade bonita e charmosa, principalmente nesas época do ano com aquele friozinho gostoso de serra. Muita gente na rua, todas as lojas abertas e restaurantes lotados. Praticamente impossível de achar uma vaga para estacionar na região central. Tinha até um pequeno rinque de patinação no gelo!

Conseguimos estacionar e demos uma volta à pé, passando pelo local do famoso Festival de Cinema de Gramado com a rua coberta logo em frente. Muito legal.




Como já era tarde, resolvemos jantar. Decidimos que queríamos fondue, mas não de sequências. Procuramos dois restaurantes (Belle du Valais e o Le Chalet de la Fondue - é bom fazer reserva com antecedência nos dois) mas estavam lotados com longas esperas que nem sequer dava uma previsão. Acabamos achando o escondido Le Petit Clos. Muito bem arrumado, aconchegante e confortável. Atendimento bom e perfeito para um clima romântico. Pedimos a Fondue Suíça Tradicional e não nos arrependemos. Estava muito gostoso mesmo!

Na parte II contaremos o resto sobre Gramado e Nova Petrópolis. Até breve. :)

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Comendo bem em Natal - RN, Brasil

Existem lugares que você simplesmente não pode deixar de ir ao visitar um determinado lugar. Algo como a Torre Eiffel para quem vai a Paris, o Obelisco em Buenos Aires, o porto de Copenhagen etc
No quesito restaurantes e lugares para comer, para quem vai a Natal, capital do Rio Grande do Norte, vamos deixar alguma dicas que nós amamos e sempre damos um jeitinho de voltar.

No Restaurante Camarões é impossível não ficar satisfeito com os pratos generosos que servem tranquilamente duas pessoas a preços bastante justos. Sem falar na qualidade excepcional do verdadeiro restaurante Camarões. São dois restaurantes no bairro da Ponta Negra e o detalhe é que os pratos são diferentes nas duas unidades, então dá para visitar as duas casas sem se preocupar com repetição. Ainda existe uma terceira unidade no Natal Shopping Center e que funciona no estilo self-service.

A Toca do Caranguejo é um restaurante de praia localizado no litoral sul, na praia do Cotovelo. Como o próprio nome diz, a especialidade da casa é o caranguejo, que pode vir na água e sal ou no côco. Os pratos também oferecem boas quantidades, servindo bem duas pessoas. (084) 3237-2329.

O restaurante Peixada da Comadre é indicado para quem quer saborear deliciosos peixes fritos ou cozidos em um dos restaurantes mais antigos da cidade. O tempo passou e a qualidade do restaurante permanece. Até hoje nunca consegui comer um pirão de peixe sequer próximo ao sabor do encontrado aqui. A famosa salada de verduras servida como entrada é simplesmente fantástica. Mesmo não sendo o carro chefe da casa, os pratos de camarão também são deliciosos. O detalhe é que até hoje eles não aceitam cartões de crédito nem de débito, apenas dinheiro ou cheque. Apesar do site indicar o endereço da filial, eu sugiro visitarem o restaurante principal que fica na Rua José Augusto de Medeiros, 4 , praia dos Artistas, onde você vai encontrar uma vista belíssima das praias urbanas e da nova ponte que liga a praia do Forte e a praia da Redinha por cima do rio Potengi. (84)3202-3411.

Para os fãs da comida regional recomendamos o Mangai. Restaurante cuja matriz fica em João Pessoa, na paraíba, o Mangai natalense superou há muito tempo a matriz, tanto em tamanho, quantidade e diversidade de pratos oferecidos, sem falar nas sobremesas e num ambiente muito mais agradável. Claro, se você for à capital paraibana também vale uma visita lá, afinal os dois são constantemente estrelados pelo Guia Quatro Rodas. Seja no almoço, jantar ou até mesmo no típico café da manhã sertanejo, o Mangai é uma excelente pedida.

Para quem não quer deixar passar a chance de comer uma boa carne-de-sol, duas boas sugestões, alem do Mangai, são o Restaurante Bar do Bidoca (Rua São José, 1197, Lagoa Nova 84-3231-9748) e o restaurante Carne Assada do Toinho (Rua Jaguarari 2522, Lagoa Nova 84-3234-8742). O Bidoca começou como um pequeno bar e foi crescendo junto com o bairro e a cidade, sendo hoje uma boa opção para o final do dia e principalmente de 6ª a domingo. O próprio dono é quem ainda faz a deliciosa carne-de-sol. Já o Toinho é um negócio familiar instalado há 27 anos no mesmo lugar. Não deixe de provar como entrada uma fatia de queijo de coalho assado na brasa.

Existem diversas outras opções de restaurantes espalhados pela cidade, mas para poder ir a mais alguma coisa além dos citados aqui você já vai precisar morar na cidade ou voltar frequentemente. O que não não são más idéias!! :)

sábado, 30 de janeiro de 2010

Ushuaia, Terra do Fogo, Argentina - Parte II

Um dos passeios mais legais que já fizemos foi conhecer e subir parte do Cerro Martial, uma das montanhas que ficam na região atrás da cidade de Ushuaia.
Pegamos uma van que nos deixou exatamente na entrada do parque do Cerro Martial. Combinamos ida e volta por $ 20 Pesos argentinos por pessoa.
Ao chegarmos fomos à cabine de venda dos passes para o teleférico. Compramos a $ 35 Pesos por pessoa com direito a ida e volta.

A subida também pode ser feita a pé por um caminho lateral ao percorrido de teleférico, mas a praticidade de subir em apenas 15 minutos venceu e lá fomos nós de teleférico, apesar do vento frio que fazia e da temperatura de apenas 2ºC. Com certeza a sensação térmica naquele vento estava abaixo de zero.

A vista durante a subida/descida é realmente de tirar o fôlego e o passeio já teria valido à pena apenas por isso, mas o melhor ainda estava por vir.

Como estava no verão (dezembro) o caminho que leva do topo do teleférico até a base do cume principal da montanha não estava totalmente coberto de neve, o que sem dúvida alguma facilitou nossa subida. É recomendável levar água e alguma coisa prática de ser ingerida, como uma barrinha de cereal, afinal de contas depois de sair do teleférico lá em cima não existe onde adquirir nada disso.

O passeio é fantástico e recomendamos demais para quem não tiver problema nem preguiça em caminhar por algumas horas. A paisagem e a vista lá de cima são coisas que realmente não têm preço.













Depois voltamos para a cidade e fomos jantar.

Como ainda não falamos nada sobre os comes e bebes de Ushuaia, vamos dedicar algumas linhas agora sobre o assunto.

Apesar de ver recomendado em alguns sites e guias sobre Ushuaia nos não gostamos nem um pouco do Cafe y Bar Tante Sara, que fica na av. San Martin 701. O atendimento foi péssimo, as mesas umas em cima das outras que era possível até mesmo dividir o mesmo saleiro e pote açúcar com a mesa vizinha, além de não haver o mínimo de espaço nem privacidade. Fomos tão mal atendidos que desistimos depois de 15 minutos sem ninguém perguntar se queríamos alguma coisa.

Um que gostamos bastante foi o Darwin Coffee Bar, localizado na Gobernador Godoy, em frente ao Tante Nina. O Darwin é um restô bar familiar, com excelente atendimento, preços muito bons e comida igualmente boa, além do agradável ambiente com internet wireless disponível. Recomendamos totalmente.

Em frente ao Darwin, fica o excelente Tante Nina Restaurante. Atendimento de primeira qualidade, ótima comida, preços compatíveis com a sua qualidade, o que torna um bom custo benefício. Sem falar que a vista que se tem durante o jantar/almoço é belíssima através das amplas áreas envidraçadas.

Fomos ainda ao famoso Tia Elvira, que fica na Calle Maipu, 349. A comida estava boa, os preços razoáveis mas o atendimento foi péssimo. Realmente não condiz com a fama que o restaurante tem. Fica a dica: se vocês forem ao Tia Elvira, peçam para não serem atendidos pelo garçom de estatura média-alta e moreno. Talvez assim a visita valha à pena ao restaurante.

A nossa "feira" de chocolates fizemos na Laguna Negra Chocolateria, que fica na San Martin 513. Lá você vai encontrar chocolates para todos os gostos e bolsos, e mesmo os mais refinados e caros ainda saem a um bom preço.





Em Ushuaia existem diversos restaurantes, bares e afins, então como nosso tempo era razoavelmente curto não pudemos experimentar nem visitar alguns outros locais que gostaríamos. Se vocês forem em alguns desses que nós fomos, então compartilhe conosco sua experiência, assim como o mesmo vale para os ambientes que não listamos aqui, afinal de contas Ushuaia é um lugar que pede, e merece, bis! :)

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Ushuaia, Terra do Fogo, Argentina - Parte I




Ushuaia é um dos lugares mais incríveis que já conhecemos. Desde a chegada a natureza já impressiona, com a vasta cordilheira e seus picos cobertos de neve mesmo no verão.
Depois tem o canal Beagle entre a Argentina e o Chile e acidade em si fica ali como se estivesse espremida entre o Beagle e as montanhas.

Uma visão inesquecível!






Ficamos hospedados no Alto Andino Urban Lodge. Buscamos a hospedagem principalmente pelos sites Booking.com, pelo Interpatagonia e diretamente nos sites de alguns hotéis.

Como fomos numa época de alta procura como o natal então a maioria dos hotéis mais em conta que procuramos já estavam lotados. Fechamos com o Alto Andino após 2 contatos por e-mail. A diária ficou em USD 140 o apto duplo.

Quando chegamos no aeroporto pegamos um táxi diretamente na saída do aeroporto e a viagem até o hotel ficou em quase $17 Pesos Argentinos. O hotel é muito bem localizado, com tudo pertinho a poucos minutos de caminhada. A única coisa um pouco desagradável é ter uma subida na volta dos passeios. Mas nada que desanime ou contra indique o hotel, afinal de contas, a vista que eles têm do restaurante é realmente fantástica.

Existe um centro de informações turísticas que fica bem perto de onde saem os barcos e catamarãs no canal Beagle, no chamado muelle turistico na av. Maipu juntinho da Plaza 25 de Mayo. O pessoal te atende bem, são bastante prestativos e têm mapas e folhetos informativos com resumos de atrações dentro e for da cidade, hotéis, onde comer e o que você precisar.

Em relação aos passeios e atrações nós optamos por não ir a museus. Sabemos que existem museus sobre a colonização local, sobre o antigo presídio que praticamente tornou possível o surgimento e crescimento da cidade, entre outros, mas mesmo assim decidimos não visitá-los.

Ao invés disso, fomos primeiro ao Parque Nacional Tierra del Fuego.

Também na av. Maipu, perto do centro de informações turísticas existe tipo uma "central de táxis" e pouco depois algo que lembra um grande estacionamento para vans e microônibus que te levam a qualquer lugar que você queira na Terra do Fogo.
Optamos pelas vans e contratamos ida e volta até o Parque Nacional Tierra del Fuego com a empresa Don Alejo. Pagamos $40 pesos por pessoa e na entrada do parque ainda tem mais $ 60 pesos por pessoa referente ao ingresso de entrada no Parque.

Uma vez no Parque você tem diversas opções de trilhas e caminhadas com variadas dificuldades. Desde trilhas mais fáceis com 15 minutos de duração na ida até trilhas com 3,5 km e grau de dificuldade maior. Não tenha dúvidas: vá ao parque e faça as trilhas! vale cada centavo e cada gota de suor.









O segundo passeio que fizemos foi a navegação pelo Canal Beagle. Junto da entrada do porto estão os guichês de todas as empresas que fazem o passeio. Eu achei isso ruim e bom. Bom porque é fácil de achar e se você quiser pode fazer uma rápida pesquisa de preços sem muito esforço. O ruim é porque os agentes dessas empresas fazem você se sentir uma nota de 100 pesos ambulante. Cada um querendo falar mais alto que o outro e tentando te convencer que o passeio dele é melhor, muito embora seja basicamente a mesma coisa em barcos praticamente iguais.

Fechamos com a empresa Tolkeyen Patagonia Turismo porque gostamos mais do atendimento deles. Optamos pelo passeio até o farol, ilha dos lobos e ilha dos pássaros. Um passeio de cerca de 2 horas e meia a um custo de $ 135 pesos por pessoa mais $ 6 pesos de taxa de embarque portuária por pessoa.

Gostamos muito do passeio. A vista da cidade a partir do canal Beagle é também maravilhosa. Demos a vlta no farol do fim do mundo, chegamos bem pertinho dos leões marinhos e dos pássaros. Muito legal.

Eles também têm outros passeios mais longos, como até à Bahia Lapataia que fica no Parque Nacional Tierra del Fuego, mas como já tínhamos ido lá no passeio anterior e feito trilhas na bahia, optamos por não voltarmos lá de barco. Tem também um passeio mais longo de umas 6 horas de duração até uma ilha de pinguins, mas não nos animamos muito.










Continua na parte II em breve. :)